Deixe Deus cuidar da sua enfermidade.


Uma das coisas que mais assustam as pessoas, sejam a que classes sociais pertençam, é a doença.

Algumas doenças podem significar o perigo de morte iminente, outras apenas um longo martírio de privações ou de tratamentos que se prolongarão por toda a vida.

Por isso falar de saúde ou de doença sempre chama a atenção das pessoas, sejam em programas de TV, sites, na internet, ou revistas especializadas no assunto, todos esses meios tem um grande público garantido.

No âmbito religioso, mais propriamente o cristão, algumas correntes neo pentecostais costumam associar como uma das causas da doença o pecado pessoal, dando assim uma visão budista de um karma meio que imediato. 

Não há nenhum respaldo bíblico para tal afirmação, mas sabemos que foi em decorrência do pecado que nossas vidas tornaram-se fragilizadas.

No Brasil, um país onde ter saúde pode ser considerado uma grande riqueza em virtude da deficiência do sistema de saúde pública, é comum vermos alguns aproveitadores da fé alheia usando tal prerrogativa para encherem seus bolsos e igrejas prometendo curas milagrosas que muitas vezes não passam de indução psicológica.

Ainda que eu não deixe de crer em um Deus que faz milagres, duvido que o Senhor trate de alguns doentes de forma especial e deixe outros sofrerem a mingua se estes o buscarem. E nem se pode dizer que os que não foram curados não tiveram fé, o fato de terem ido em busca de cura já demonstra fé, e Jesus operou milagre até na vida de um homem que lhe afirmou não ter fé suficiente (Mc 9.24).

Esta é a questão que iremos avaliar, como realmente Deus cuida de nossas enfermidades, como se dá esse cuidado, afinal, um Deus que nos ama não nos deixaria a mercê das doenças sem se apresentar de alguma forma em sua infinita misericórdia. E veremos isso a partir do Salmo 103.

Bendize, ó minha alma, ao SENHOR, e tudo o que há em mim bendiga o seu santo nome.Salmos 103:1


O texto mostra o salmista assumindo uma resolução, a de bendizer a Deus.
Assim como o grande mandamento nos pede que amemos a Deus de todo coração, força e entendimento, o salmista assume a postura de que todo o seu ser da mesma forma bendiga ao “Santo nome” do Senhor.

Ao referir-se a “Santo nome”, o salmista está dizendo que o nome do Senhor não é um nome qualquer, este nome é santo e não pode vir acompanhado de nada que não seja conveniente a Ele, ou seja, junto ao nome do Senhor só pode vir louvor, é essa a postura que ele está assumindo, de dar ao Senhor a glória devida ao seu nome.

Para que haja essa atitude de louvor é necessário que ela esteja além de qualquer circunstância as quais estejamos enfrentando. O salmista coloca a santidade do nome de Deus acima do mal, não somos dualistas, o Senhor é soberano, o mal está sujeito à sua ação. É preciso louvar a Deus pelo que Ele fez, faz e é capaz de fazer, ou seja, louvá-lo pelo que Ele é.

Ter essa atitude durante um período de enfermidade pode fazer toda a diferença.

A enfermidade nos põe em uma situação de murmuração. No entanto, uma vez que, assim como o salmista, tenhamos a consciência de que Deus deve ser louvado, pelo que fez, pelo que faz, e pelo que pode fazer, o louvor não cessará de nossos lábios.

Mas para que tenhamos essa atitude de bendizer ao Senhor mesmo em circunstâncias tão adversas, como é o caso da enfermidade, é necessário que: 

“... não te esqueças de nenhum de seus benefícios.”Salmos 103:2


Quando perdemos algo que tem tanto valor para nós, como é o caso da saúde, é necessário que imediatamente nos lembremos dos benefícios que o Senhor nos concede por sua graça junto com essa perda.

No caso da enfermidade podemos lembrar de que somos muitas vezes beneficiados com:
·       
  •    O apoio familiar – quantos laços de relacionamento se estreitam quando uma enfermidade acomete um de nossos entes queridos, a sensação de que poderíamos perde-los nos faz amá-los mais imediatamente.     
  •    O apoio da Igreja – Muitas pessoas só puderam descobrir o real valor da comunidade cristã ao se deparar com uma enfermidade, só então experimentaram o que significa a comunhão de dores.   
  • ·  O Suprimento das necessidades básicas – E não estamos falando aqui de cuidados médicos, mas da visitação do Espírito Santo, muitos na doença puderam ter mais momentos de introspecção, o que os fez visitar um pouco aquela parte de nossa vida que costumamos negligenciar, como dizia Tereza de Ávila “o porão da alma”.  E assim reconheceram faltas, e se depararam com o perdão, a graça e o amor de Deus.
  • ·  A manifestação da misericórdia e graça – Somente Jó poderia ser Jó. Essa afirmação muito tem a nos dizer. Há um peso adequado para cada um de nós, e ele é amortecido pela graça e misericórdia divina.


E nesse trazer à memória os motivos para louvar a Deus não podemos esquecer é claro do supremo benefício:
“Ele é o que perdoa todas as tuas iniquidades, que sara todas as tuas enfermidades”Salmos 103:3


Mesmo em meio ao sofrimento e a privação física que a doença nos traz, podemos ainda assim bendizer ao Senhor pela saúde da nossa alma.

Podemos lembrar que o pecado é a doença mais cruel que existe, pois permite que alguém goze de pleno vigor físico, ainda que na verdade esteja morto em seus pecados diante de Deus.

Talvez as pessoas que Jesus curou demoraram para perceber que a cura que Ele lhes oferecia para a alma era imensamente mais importante que a do corpo, quando Ele dizia “Os teus pecados estão perdoados”.

Afinal de que adianta um corpo curado para caminhar sobre a terra e uma alma não regenerada para adentrar no Céu?

Glorificar a Deus, mesmo na enfermidade, é para quem tem a certeza, pela fé, de que o corpo que agora está debilitado um dia será plenamente restaurado na glória, tudo porque a alma foi sarada.

Ele é que “sara todas as tuas enfermidades” Salmos 103:3

Todas as nossas enfermidades não permanecerão para sempre, ainda que nossos corpos não sejam restaurados neste mundo, serão plenamente na eternidade.

Jesus morreu na cruz para nos garantir que a vida que Ele nos desse não seria interrompida.

O Senhor é “que resgata a sua vida da sepultura” Salmos 103:4

Nós pela morte de Jesus passamos da morte para a vida.

Muitos pensam, depois de terem conhecido Jesus, que aqui é um lugar de enfado, e que, portanto, todos devemos ansiar pelo Céu e nos esquecermos dessa Terra, tal pensamento leva algumas pessoas a crerem que uma doença tem como fim maior nos lembrar que aqui não é o nosso lar.

Acontece que essa não era a proposta de Jesus, Ele disse “Vim para que tenham vida”, ou seja, “Vim para que vivam”, e isto não nos diz que essa vida que Cristo nos propõe só pode ser vivida na eternidade, Ele quer que passemos a viver a partir do momento que Ele nos resgata da morte.
Isso nos mostra que o Mestre não quer que vivamos em nenhum momento como quem está com o “pé na cova”.

Viver glorifica a Deus, Paulo disse: “Viver é Cristo, morrer é lucro” (Fp 1.21). Mas entenda que morrer só é lucro para quem viveu em Cristo. O Evangelho nos convida a morrer a cada dia para o pecado para viver cada vez mais para Cristo.

Enquanto houver vida em nós, ela deve ser vivida para a glória de Deus.

Uma enfermidade é uma oportunidade sim, não apenas para nos lembrarmos do Céu, mas principalmente desse mundo onde por hora habitamos. É um momento para refletirmos sobre como temos sido vistos pelos que nos cercam, se eles tem conseguido ver algo da glória de Deus em nós. Quem crê em Jesus segundo as Escrituras “Tem a vida eterna e já passou da morte para a vida”.

Uma doença pode glorificar a Deus por uma cura maravilhosa, ou pela dignidade pela qual nós a enfrentarmos. Dignidade esta que só pode manifestar aquele quem reconhece-se amado por Deus. Que está cheio da vida de Cristo e por isso durante a enfermidade pode expressar mansidão, humildade, paz e quem sabe até alegria.      

Podemos glorificar a Deus muito mais na doença do que na saúde, a doença tende a nos desnudar e mostrar quem realmente somos.

Por isso na doença Deus nos coroa com o que mais necessitamos em toda a vida: “Misericórdia e graça”.


Share on Google Plus

Sobre João Eduardo Cruz

Não sou bem um escritor, sou um pastor que escreve.

0 comentários:

Postar um comentário