Aprenda a amar com quem sabe amar.

"Aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração" Mateus 11.29 

Só aprendemos a amar tendo a humildade e a mansidão de Jesus. Somente essas duas coisas tornam o amor possível

Foi com humildade que Jesus se submeteu ao mundo e aos homens mesmo sendo Deus.

Foi com mansidão que suportou todas as afrontas para que pudesse manter intacto seu propósito de salvação.

É desenvolvendo estes dois sentimentos que seremos capazes de amar o próximo, a nós mesmos, e a Deus acima de todas as coisas.

Amando a Deus

Amar a Deus exige humildade para aceitar que Ele seja quem diz ser, sem tentar enquadrá-lo em nossas racionalizações.

A sabedoria que procede do alto é atributo que só pode ter os simples de coração “Pai eu te agradeço porque escondeste essas coisas dos sábios e entendidos (orgulhosos) e as revelastes aos pequeninos (humildes)”.

Há dificuldades em aceitar que Deus nos ame e em aceitar que ele não nos ame.

Em aceitar que nos ame por não vermos intervenções imediatas a nosso favor livrando-nos de todo mal e sofrimento.

Que ele não nos ame por causa da possibilidade de nos mandar para o inferno.

Só com humildade aceitamos as palavras de Jesus “No mundo tereis aflições”, portanto nenhuma intervenção de Deus nos livrará para sempre das aflições a não ser na sua volta quando os salvos irão para um lugar onde “Não há mais choro, nem morte, nem dor”

Só com humildade reconhecemos ao olhar para a cruz de Jesus e vê-lo lá sendo morto por nossos pecados que o amor de Deus é tão grande que Ele fez e faz de tudo para nos deter antes que pereçamos para sempre nas trevas eternamente consumidos pelo mal que escolhemos.

Amar a Deus exige mansidão no sentido de que Ele nos ama não como aprendemos a entender o amor pelas nossas percepções fracas e pecaminosas, mas em um sentido mais amplo, eterno puro e unico. Que exige que caminhemos pela vida sem fazer guerra contra aquilo que Ele está fazendo em nós e de nós. Os mansos não contendem com Deus, pois sabem que são amados por Ele. Confiam nesse amor.

Jesus nos mostrou isso em uma oração simples no Getsêmani “Seja feita a tua vontade” e não esqueça que antes ele já havia ensinado isso aos discípulos ao lhes dar um modelo de oração “Seja feita a tua vontade assim na terra como no Céu”.

Só pela mansidão aceitamos essa vontade pois com Deus quando perdemos para Ele ganhamos .

Amando a si mesmo

Por causa da nossa relação com Deus passamos a nos encarar de maneira diferente. Desenvolvemos um amor próprio. Valorizamos nossa existência como nunca havíamos feito antes.

Para tanto nos vemos com mais humildade, pois nos colocamos frente a frente com Deus, a consciência de que somos pó, nos leva a entender que nenhuma exaltação nossa diante da vida pode ser justificada ou sensata.

Essa forma de nos vermos não tende a nos transformar em pessoas com baixa auto estima, muito pelo contrário, entendemos que somos muito importantes pois mesmo sendo nada, 
Deus fez tudo por nós, temos o verdadeiro valor que necessitamos. Amamos o que nos tornamos. Filhos preciosos e amados de Deus.

A tentativa de ser mais do que humanamente somos capazes de ser chega a ser cruel. Muitos traçam metas morais muito além do que possam alcançar numa tentativa frustrante de se valerem por si mesmos. Isto se dá tanto no campo da religião como social. Tem muita gente aflita por ter percebido que nunca será o que almejava ser e não entende que nunca poderia ter almejado algo tão alto.

Jesus disse que o discípulo nunca será maior que o Mestre, mas pode ser igual. É preciso humildade para abandonar essa nossa vaidade de sermos reis e deuses.  

Com a mansidão poderemos encarar nossas falhas e pecados, sem desespero quando surgirem, mas com um desejo constante de acerto impulsionado pelo amor que temos certeza foi dispensado a nós para que pudéssemos saborear a vida em abundância. A mansidão nos traz a paz para com o que somos, sem guerras intermináveis descansamos na paz do perdão e da graça de Cristo.

Amor ao próximo

A humildade e a mansidão de Jesus por fim, nos ajudam a amar o próximo.
Jesus nunca nomeava pessoas como seus inimigos.

Era manso o suficiente para prosseguir ao lado de quem iria trai-lo ou abandoná-lo e humilde a ponto de lavar-lhes os pés.
Jesus nunca desistia de ninguém.

Sua mansidão fazia com que esperasse pacientemente que se voltassem para ele. E humildemente aceitava quando havia rejeição, indo embora, ou simplesmente deixando que fossem.

Jesus amava por atitudes e palavras.

Sua mansidão abria espaço para que se achegassem a Ele. Sua humildade fazia com que fosse até os pecadores e estes permanecessem com Ele.
Jesus amava gratuitamente.

Na sua mansidão tolerava o desconforto de ser rejeitado e em sua humildade estava sempre disposto a amar.

E o que Ele nos convida é para essa revolução a mesma que Ele fez e mudou o mundo. Pois o mesmo espirito que habita no Cristo está em nós.




Share on Google Plus

Sobre João Eduardo Cruz

Não sou bem um escritor, sou um pastor que escreve.

1 comentários: